ativismo, bicicletada, bicicletada curitiba, critical mass, mobilidade urbana

Grupos divulgam uso da ‘magrela’

Matéria publicada na Folha de Londrina em 11/12, junto com esta outra (Projetos incentivam uso da bicicleta http://www.bonde.com.br/folha/folhad.php?id=5489&dt=20081211), sobre alguns projetos obscuros da Câmara dos Vereadores. Achei que viria com mais erros.

Grupos divulgam uso da ‘magrela’ http://www.bonde.com.br/folha/folhad.php?id=5445&dt=20081211

Curitiba – Vários grupos em Curitiba têm organizado eventos para incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte. Eles contam com a ajuda de ambientalistas que vêem no modelo uma oportunidade para a redução da emissão de gás carbônico produzido pelos automóveis. Aos poucos, esses movimentos também servem de pressão para que os agentes políticos prestem mais atenção ao assunto.

Um desses movimentos é a “Bicicletada”, inspirado no movimento internacional Massa Crítica. O professor universitário Leandro Kruscielski, participante da Bicicletada, explica que esse é um movimento sem líderes, denominado “coincidência organizada”. O objetivo dos participantes, em média 100 por encontro, é que a bicicleta ocupe seu espaço de direito nas vias. Outro aspecto que o movimento procura enfatizar é o uso dos espaços públicos como um local de convivência e de respeito entre os cidadãos. “A gente pedala juntos e procura compartilhar o tráfego não ocupando todo o espaço da rua”, disse.

De acordo com o participante da bicicletada, o evento é uma espécie de celebração que pretende a conscientização da população e educação no trânsito. Ele afirma que os projetos em discussão na Câmara são vistos com bons olhos pelos ciclistas do movimento, mas devem vir acompanhados de outras ações. A principal crítica que faz ao sistema de ciclovias da cidade é a chamada “ciclovia compartilhada”. “Na verdade é uma calçada que a Prefeitura chama de ciclovia. Isso não dá certo porque o ciclista não consegue desenvolver uma boa velocidade sem colocar em risco os pedestres e precisa esperar em cada cruzamento para atravessar as ruas”, afirmou.

O modelo defendido é o de ciclofaixa, ou seja, uma faixa de trânsito pintada na própria rua, que seria um espaço preferencial para o ciclista. “Dessa forma fica visível ao motorista que aquele espaço também é do ciclista e que ele precisa ser respeitado”, diz.

Para Luiz Patrício, membro do Grupo Transporte Humano, uma organização que está se constituindo formalmente e tem como objetivo principal promover a mobilidade sustentável em Curitiba, tanto os estacionamentos para bicicletas quanto o projeto de aluguel dos equipamentos são extremamente interessantes mas não podem vir sozinhos. Para ele, segurança e integração com outros modais como o sistema de transporte coletivo é essencial. “Se não houver segurança para o ciclista, o projeto está fadado ao fracasso”, completou. (K.L.M.)

In Amsterdam.
In Amsterdam.

Postado originalmente no fórum da Bicicletada Curitiba,por Leandro Kruscielski.

Anúncios

2 thoughts on “Grupos divulgam uso da ‘magrela’”

  1. Parabéns, seu site é muito legal e nos trás assuntos interessantes tais como , vida simples , reciclagem e vegetarianismo, gosto muito de mountain biking e sempre que posso estou nas trilhas em contato com a natureza, mas por meio de seu site ví que não estou fazendo nada x nada em prol da áre urbana de minha cidade, mas a partir de agora vou ser mais atuante e vou começar pela reciclagem e pela vida mais simples pois sou extremamente consumista, Tchau abçs. Jorge , resende RJ visite nosso blog: canelasdeaco.blogspot.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s