arte, bicicleta, fotos, imagens

20 Photos I ♥ in tumblr.

♥ My tumblr. http://ciclistaurbanocwb.tumblr.com

♥ Visit my tumblr. http://ciclistaurbanocwb.tumblr.com

Seleção de fotos de bicicletas que eu curti e salvei nos favoritos do tumblr, visite estas e outras fotografias sendo algumas de minha autoria.

That’s all folks.

Namastê.

bicicleta, mobilidade urbana, trânsito

Jan Gehl e Copenhague, a cidade das bikes.

JAN GEHLA seguir, trechos da entrevista de Jan Gehl, responsável por mudar a cara de Copenhague, nos anos 60, mostra que as cidades têm solução e dá a receita: PENSAR, EM PRIMEIRO LUGAR, NAS PESSOAS.

Leia a matéria e a entrevista completa na edição de julho de 2011 da Revista Vida Simples, nas bancas.

“Boa parte dos profissionais que definem o futuro de uma cidade, os arquitetos, urbanistas e políticos, estão preocupados com outras coisas.”

“Brasília nasceu pra ser uma cidade planejada certo? Pois bem, quando a olhamos do céu, ela é incrível, mas quando a olhamos do chão, parece que estamos em uma maquete fora de escala. É tudo grande demais, as distâncias são impossíveis de serem percorridas pelo corpo humano e os monumentos são grandes demais para apreciarmos a partir da nossa altura. Isso sem contar a falta de calçadas e ciclovias. Se você não tem um carro em Brasília, fica impossível de se locomover.

“Junto com o aumento das opções de locomoção, é preciso diminuir o uso dos carros, dando menos lugar a eles. Quanto mais ruas, mais carros, quanto menos ruas, menos carros. Se você oferecer infraestrutura, a sociedade vai utilizá-la.”

“Não dá para, de uma hora pra outra, proibir os carros de estacionarem nas ruas. Mas que tal proibir em um bairro? Ou em apenas uma avenida? E , no lugar onde os carros estacionariam, criar uma ciclovia? Esse acaba sendo um projeto piloto, as pessoas teriam tempo de se acostumar. E, quando começar a dar certo, fazemos isso em outro ponto. Pouco a pouco a população vai entendendo como a cidade pode melhorar.

“A bicicleta é um meio de transporte ágil que não polui e faz as pessoas se exercitarem.”

“Mas é fundamental que haja infraestrutura para pedalar. Se as pessoas não se sentirem seguras, bicicleta continuará sendo um meio restrito para se transportar.”

“Enquanto exigirem mais ruas para dirigirem seus carros, as as cidades vão continuar crescendo do jeito errado. Quando passarem a exigir mais liberdade de locomoção, daí o governo terá que fazer algo a respeito. Em Copenhague foi assim. Na década de 1970 a cidade estava tomada pelos carros. Com a crise do petróleo, dirigir ficou muito caro e as pessoas começaram a exigir infraestrutura para pedalarem em segurança. E as ciclovias foram, pouco a pouco, tomando o lugar dos carros.

“Planejamento urbano não garante felicidade. Mas mau planejamento urbano impede a felicidade.”

Veja também o site http://cidadesparapessoas.com.br , projeto interessantíssimo da repórter Natália Garcia.

That’s all folks. Bora pedalar.

artigos, bicicleta, cicloativismo, notícias

‘Sou brasileiro e não sou apaixonado por carro’, diz adepto da bicicleta

 

‘Sou brasileiro e não sou apaixonado por carro’, diz adepto da bicicleta

Cicloativista pede que bikes tenham mesmos direitos de automóveis.
Para André Pasqualini, números de ciclovias em SP não são confiáveis.

André Pasqualini no centro de São Paulo
André Pasqualini pedalando de máscara pela Av. Paulista (Foto: Arquivo pessoal)
 >> Leia o artigo completo no portal G1, CLIQUE AQUI.
bicicleta, mobilidade urbana, notícias, vídeos

Campanha de trânsito RPC – TV Paranaense

Bela iniciativa da RPC.

O vídeo a seguir faz parte da campanha “Trânsito – Respeito ou Morte. Você escolhe o caminho”.

Veja o vídeo da reportagem, clique aqui.

bicicleta, passeios

Passeio ciclístico no domingão.

Eba, domingão agora (22/03/2009) vai rolar o 14º Passeio Ciclístico Mercadorama, em comemoração ao aniversário de 316 da cidade de Curitiba.

Vamos nos encontrar para participar deste evento, vai estar eu, o pessoal do Zikatella e da Bicicletada, o encontro vai ser às 09:00hs em frente à praça da Câmara Municipal de Curitiba, que fica em frente ao Shopping Estação.

Pra quem não me conhece, eu vou estar com uma bike de alumínio cromado, com uma placa atrás com os dizeres “movido a arroz + feijão”.

E vamos torcer pra cidade “ecológica” ganhar novas ciclovias, e também ciclofaixas, pra ficar mais bonita e todos poderem pedalar numa boa. 🙂

Passeio Ciclístico

See you later people.

artigos, mobilidade urbana

Saiba os perigos de se pedalar em grandes centros urbanos.

A cada dia que passa o número de veículos nas grandes cidades aumenta e, por conseqüência, aumentam também os congestionamentos, a poluição e o estresse, motivos pelos quais muitas pessoas optam por outros meios de transporte, entre eles a bicicleta. Entre os pontos a favor do uso da “magrela” estão a prática de uma atividade física, a não agressão ao meio ambiente e, em muitos casos, a rapidez para se chegar ao destino desejado.

Nos grandes centros brasileiros, ao contrário do que acontece em países da Europa, por exemplo, a bicicleta é vista pelos motoristas de outros veículos como uma intrusa, um empecilho à fluidez do trânsito. Um exemplo prático são os constantes acidentes envolvendo ciclistas, como na última quarta-feira (14), em que Márcia Regina de Andrade Prado, de 40 anos, foi atropelada por um ônibus na Avenida Paulista, uma das mais movimentadas da capital paulista.

Segundo informações do Jornal O Globo, ela circulava pelo meio fio entre a calçada e a faixa de ônibus, foi atingida por um carro, se desequilibrou e caiu no chão. O motorista de um ônibus que vinha logo atrás viu a ciclista no meio da faixa, tentou realizar a ultrapassagem pela esquerda e, ao retornar, ouviu um barulho e parou. O resgate foi acionado, mas no momento em que os paramédicos chegaram ela já estava sem vida.

“A única forma de tentar minimizar esse tipo de coisa é o ciclista procurar ruas com pouco tráfego de veículos, pois os carros não respeitam a bicicleta”, ressalta Paulo de Tarso, o Paulinho, presidente do clube Sampa Bikers. “Quem usa bicicleta no dia a dia sempre passa por algum tipo de problema, como ser fechado, ou xingado”, completa.

Segurança – Além de ter uma bicicleta com a parte mecânica em ordem, o ciclista precisa usar equipamentos de segurança na tentativa de minimizar os problemas. “É necessário usar capacete, óculos e roupas que chamem a atenção, além de luz se for andar a noite”, adverte Paulinho. Ele também adverte para sempre acompanhar o fluxo do trânsito, não andar na contra mão e passa uma dica caso não seja possível evitar grandes avenidas. “Não é a coisa certa a se fazer, mas se não tiver jeito procure a calçada, mas sempre respeitando o pedestre”.

Paulinho pedala há mais de 10 anos, organiza passeios que reúnem diversos ciclistas para percorrer as ruas de São Paulo e conta que já foi atropelado por um carro na Avenida Nove de Julho durante um destes eventos. “Um senhor de 70 anos bateu no bagageiro da minha bicicleta, eu voei para a calçada e tive sorte de ter caído certo”.

Muitos políticos anunciam como promessa de campanha a construção de ciclovias na tentativa de melhorar a segurança do ciclista, mas segundo Paulinho, a educação no trânsito deve vir primeiro. “Não adianta fazer ciclovia, se não os motoboys acabam invadindo. É necessário fazer um trabalho de educação para cumprir a lei, já que a bicicleta tem prioridade no trânsito”.

Fonte: Webrun

arte, bicicleta, design

Bicicletas recicladas

O título pode enganar. Na verdade, as bicicletas não rodam mais, mas por outro lado foram recicladas de uma forma pra lá de legal: viraram móveis super estilosos. Criação da Bike Furniture Design, que desde 1990 cria peças a partir de bicicletas usadas, os móveis são extremamente funcionais e decorativos. Hoje, partes de automóveis e trens também foram incorporadas na confecção do mobiliário. Mesas, cadeiras, poltronas, entre outros, são alguns dos itens feitos pela BFD. “Pedalantemente legaus”!

Artigo encontrado no Bem Legaus!

Uncategorized

O sonho dos bikers…

O Bicycle Boulevard Network em Berkeley, Califórnia, é uma rede de sete corredores que cruzam a cidade nos sentidos norte-sul e leste-oeste, passando por escolas, bibliotecas, agências de correios e pontos comerciais. A prioridade para as magrelas nessas ruas, algumas com faixas exclusivas para bikes, é sinalizada com adesivos no asfalto e totens a cada esquina. A rede possui ruas com obstáculos, como retângulos de cimento, que impedem a passagem dos carros, além de mini-rotatórias e árvores no meio da via, para diminuir a velocidade dos veículos. Em certos trechos, existe até um sensor no solo que identifica a presença da bicicleta e fecha o sinal para os automóveis. Só acredita vendo? Então, assista a este vídeo, indicado pelo cicloativista carioca José Lobo, da ONG Transporte Ativo.

Fonte:http://vidasimples.abril.com.br/blogs/redacao/