bicicleta, mobilidade urbana, trânsito

Pedalar na contramão

Devido ao grande número de ciclistas que andam na contramão, alegando ser mais seguro, reproduzo aqui um postagem feita no fórum da Bicicletada Curitiba para esclarecer o perigo de se andar na contramão.
Eu particularmente procuro sempre andar na no sentido dos carros, pelo lado direito, quando há cilcovias procuro usá-las, e apesar de proibido e pouco seguro, uso as canaletas do expresso, em último caso uso a calçada, sempre respeitando a todos.

Leia abaixo o artigo postado no fórum:

Ciclista imprudente não tem direito a reparação de danos por atropelamento
Fonte: TJSC (https://secure.jurid.com.br/new/jengine.exe/cpag?p=jornaldetalhejornal&id=84688&id_cliente=44253&c=5)

A 2ª Câmara de Direito Civil confirmou sentença da 2ª Vara da Comarca de Palhoça e negou indenização a José Luiz Mancia, em ação ajuizada contra Nilson Roberto da Costa e Arcelino Antônio Goulart. Ele andava de bicicleta, na contramão, quando foi atropelado por Nilson, que dirigia o carro de Arcelino.

Mancia reforçou, na apelação, os argumentos de que o condutor do carro agiu com imprudência, o que teria provocado o acidente. Adiantou, ainda, que trabalha como pedreiro autônomo e, pelas lesões sofridas, ficou sem desenvolver sua atividade, pelo que requereu indenização por danos morais e emergentes, além de lucros cessantes. O motorista e o dono do carro negaram tais afirmações e apontaram que o ciclista estava na contramão, de forma imprudente.

O relator, desembargador Sergio Izidoro Heil, negou a indenização a Mancia com base na legislação de trânsito, a qual prevê que, nas vias urbanas e ruas rurais de pista dupla, a circulação de bicicleta deve ocorrer nas bordas das vias e no mesmo sentido dos veículos. Depoimentos de testemunhas comprovaram que o motorista dirigia dentro das normas de segurança no trânsito. Já o pedreiro trafegava na contramão e na pista de rolamento.

“O condutor, ao contrário, dirigia de forma defensiva, pois, a fim de evitar o acidente, quase que parou o veículo. Ademais, agiu com presteza, socorrendo a vítima”, concluiu Heil. A votação foi unânime.

 
(Ap. Cív. n. 2007.031391-5)
 
Leia alguns dos comentários postados no fórum:
 
“Quem devia pagar os prejuízos sofridos pelo pedreiro é o governo. É muito fácil afirmar que ele estava em desacordo com o que diz o Código de Trânsito, mas e quem disse que ele sabia disso? Se a pessoa não tem carteira (muitos têm e não sabem da mesma forma) não sabe das normas de circulação. Sempre existiu o senso-comum que ciclista tem que andar na contra-mão. Ai reside a importância da educação de trânsito nas escolas, na mídia e junto à população em geral. Simples campanhas educacionais reduziriam em muito os gastos federais com acidentes e o passivo social que eles deixam.”
 
” O senhor ciclista que me perdoe, mas a justiça acertou. Andar na contramão é imprudência total.”

” Faço o mesmo trajeto para o trabalho todos os dias e garanto que na rua do expresso mais de 90% dos ciclistas pedalam na contra mão, e a maioria sem nenhum tipo de iluminação à noite.

Pra mim andar na contra mão é uma falta de respeito, principalmente com os pedestres. O cara vai olhar para os dois lados numa rápida de mão única?

Obviamente que em poucos casos realizo trechos na contra mão, por falta de melhores opções. Procuro andar em baixíssima velocidade e dou sempre a preferência para pedestres e veículos.

Se for atropelado por um veículo, assuma as consequências. Se você está no trânsito, respeite as leis de trânsito. Quanto à rua do expresso, não vou discutir, desrespeito a lei por falta de opção e sei que se me envolver num acidente não tenho direitos. Procuro ser prudente, dando a preferência aos ônibus e andando sempre na mão correta. Um retrovisor é essencial para andar na mão correta, coisa que poucos usam.”

É isso ae. That’s all folks!!

artigos, bicicleta, mobilidade urbana, notícias, textos

Mais do que lazer, bicicleta é transporte alternativo

Saiu na Gazeta:

Mais do que lazer, bicicleta é transporte alternativo

Evento em Brasília discute projetos para que a malha viária das cidades brasileiras valorize a circulação de ciclistas

Todo dia, chova ou faça sol, o funcionário público Luis Peters vai ao trabalho de bicicleta.
Todo dia, chova ou faça sol, o funcionário público Luís Peters vai ao trabalho de bicicleta.

Se até agora as principais ciclovias das cidades brasileiras eram usadas apenas para o lazer – porque tinham como função ligar um parque ao outro – agora elas devem ser projetadas para que a bicicleta passe a ser um meio de transporte alternativo e bastante utilizado para se chegar ao trabalho. Pelo menos este é o objetivo do primeiro evento sobre o assunto, que começou ontem, em Brasília, e prossegue até sábado. Ele foi batizado de Bicicultura Brasil, com o slogan “bicicletas por um mundo melhor”. Segundo os organizadores, a idéia é discutir, durante os quatro dias, como tornar viável uma malha urbana onde as bicicletas possam circular com rapidez e segurança, contribuindo, inclusive, com o meio ambiente. “Temos muitos carros na rua, congestionamentos e poluição. Precisamos debater a cultura da bicicleta, pois a do carro já está posta”, afirma uma das organizadoras, Beth Davison, da ONG Rodas da Paz.

As principais barreiras para que a bicicleta efetivamente passe a ser incorporada como meio de transporte é a falta de espaços destinados a elas: existem ciclovias, mas essas não têm continuidade. Em muitas cidades elas começam em um bairro, por exemplo, mas ao longo do trajeto têm várias interrupções, ou ainda, não levam a lugar algum. Outro problema é a falta de estacionamentos adequados para as bikes e banheiros com chuveiros nas empresas, para que os funcionários possam tomar banho antes de começar a trabalhar. “A Bicicultura trouxe representantes de outros países, como Holanda e Colômbia (Bogotá), que conseguiram revolucionar o sistema de transportes a partir das bicicletas. Essas pessoas vão repassar as experiências por meio de palestras”, conta um dos organizadores, Yuriê Baptista César, da União de Ciclistas do Brasil. O evento conta também com a participação de gestores de trânsito de alguns estados brasileiros, que já têm projetos urbanos para bicicletas, como o Distrito Federal – que quer implantar 600 quilômetros de ciclovias – e o Rio de Janeiro, que deseja ser conhecido como o estado das bicicletas. “No Brasil, a visão de transporte está equivocada. O sonho de consumo é o carro, algumas pessoas se dizem felizes apenas quando compram um automóvel. Mas temos de pensar também nos congestionamentos e no meio ambiente”, lembra César.

Curitiba

Na capital paranaense, onde o sistema de ciclovias foi projetado na década de 80, ainda há muito para ser feito. Atualmente existem 85 km de ciclovias compartilhadas (ficam nas calçadas) e 35 km de exclusivas, a grande maioria liga um parque ao outro, por isso o maior desafio da prefeitura é fazer com que as ciclovias sejam úteis para quem vai trabalhar. O funcionário público Luis Peters, de 50 anos, adotou a bicicleta como meio de transporte há dois anos, depois que o médico o aconselhou a praticar exercícios físicos. Todos os dias, debaixo de sol ou chuva, Peters sai do Bigorrilho, pedala 5 km até o Centro Cívico, onde trabalha, e depois faz o mesmo percurso para voltar. Como não existem ciclovias no caminho para o trabalho, ele usa a canaleta dos ônibus biarticulados. “Eventualmente mudo o percurso para a Princesa Izabel, com o objetivo de evitar a fumaça dos ônibus, que faz mal à saúde, porém é mais longe”, diz. Ele acredita que nunca se acidentou por ser mais cauteloso. “Acho que por que sou mais velho”, comenta. Mas Peters tem de usar de algumas artimanhas, como sair um pouco antes dos carros ao sinal verde, para ganhar espaço na rua. Caso contrário, ele tem de gastar vários minutos parado nos cruzamentos. Nem mesmo a roupa de trabalho que ele usa, normalmente um terno, atrapalha. “Deixo na bicicleta uma roupa especial para chuva. Realmente uso a bicicleta como meio de transporte”, afirma.

Integrante do movimento Bicicletada, Jorge Brand diz que o problema de usar bicicletas é a falta de respeito por parte dos motoristas de carros e ônibus. “Eles não enxergam a bicicleta como um meio de transporte.” Brand fala ainda que o ideal seria que as bikes circulassem na rua e não nas calçadas, que é lugar exclusivo dos pedestres. “Defendemos o uso das ciclofaixas”, diz, que são faixas amarelas pintadas nas vias das cidades, do lado direito da pista dos carros, para uso exclusivo das bicicletas.

Atualmente Curitiba não tem ciclofaixas. Entretanto, alguns projetos, que a prefeitura promete colocar em prática no ano que vem, devem melhorar as condições de quem anda sob duas rodas. Um dos projetos de maior envergadura, que daria fôlego aos ciclistas, é a substituição dos canteiros centrais da Visconde de Guarapuava por uma ciclovia exclusiva. A mudança está em estudo, porque envolve também a Companhia Paranaense de Energia (Copel), por causa dos postes de luz. “Se conseguirmos viabilizar, será uma ciclovia que ficará interligada com várias outras, como as das ruas Mariano Torres, Conselheiro Laurindo e Afonso Camargo”, explica a supervisora de planejamento do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Célia Bim. Ela conta que a prefeitura pretende criar diferentes soluções para as biciletas, em curto, médio e longo prazo. Para o ano que vem, na Marechal Floriano Peixoto, entre a BR-476 e o terminal do Boqueirão, será instalada uma ciclofaixa, o problema é que ela será interrompida porque no Centro da cidade a avenida ficou muito estreita. “Temos de lidar com esta malha urbana já consolidada”, explica Célia. Outras ruas importantes ganharão ciclovias e, ainda, Curitiba deve receber 29 locais na área central para serem usados como paraciclos (estacionamento de bicicletas), com 320 vagas. Um projeto que depende de licitação – e, portanto, de uma empresa interessada em colocar em prática a idéia – são os bicicletários de aluguel, que seriam instalados em 20 pontos da cidade.

Matéria publicada na Gazeta do Povo.
Link para matéria original: http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&id=827532&tit=Mais-do-que-lazer-bicicleta-e-transporte-alternativo